outubro 2008


visto

revisto

analiticamente

detalhisticamente

bah! ele não diz

aquilo de mentir

só disfarça

faz charme

agrada, mas não convence

exalta, glorifica

fantasia

se delicia

ai, amor bandido!

mentiroso e corrompido

balzaq político – católico?

paradoxalmente

eu assistia ao high school

Anúncios

Meu cigarro apagou

bem na hora  em que eu te escrevia

um poeminha assim

singelo

simplista

cinético

que faço sem meu cigarro

sem a ti escrever

e os céus a presenciar o ser

o estar da poesia

que não foi escrita

por uma corrente que passa

e me abraça na incandescente luz dos que sofrem

o amor não manifesta temores

age forte, inconsequente

fugaz, amargo, descrente

que mesmo meu cigarro aceso

de certo que iria apagar

mas chega de saudade

chega de bondade, humildade

quero mais a luxúria

o prazer e a benesse

imbutidos no meu cigarro

que voou janela afora

para eu ver

eu crer e aprender

e me deter

diante da janela aberta

que de repente traz e leva

cem anos do meu coração

mas hoje não

me diga não

que meu cigarro espera um trago